sábado, 19 de novembro de 2011

10 Maneiras de Ensinar a Criança a Orar!

"Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo como passar dos anos não se desviará deles." (Provérbios 22:6 - Bíblia Sagrada NVI)

1- Ser uma pessoa de oração! Visto que as crianças aprendem a partir daquilo que vêem em seu ambiente, o elemento fundamental para ensinar crianças menores a orar é sermos pessoas de oração.

2 - Usar linguagem apropriada e do dia a dia com elas, e ver que as orações sejam breves, simples, sinceras e diretas. Assegure-se de orar a respeito de fatos do dia a dia a fim de que cada criança possa compreender. Por exemplo: toda vez que ouvir as sirenes do carro de bombeiros, pare! Profira uma oração em voz alta. Faça-a com as crianças.



3- Fazer da oração uma prioridade! Defina uma hora e lugar acolhedor e amoroso para ajudar as crianças a aceitarem a Deus. Prepare um lugar aconchegante de oração para ser usado antes do início do programa. Você pode incluir uma Bíblia para crianças, almofadas macias, música suave e relaxante como também livros sobre a oração e apropriados à faixa etária

4- Tornar a oração uma rotina! As crianças apreciam a rotina e assim esta deve ser incorporada sempre que possível. Por exemplo, comece o dia com uma oração cumprimentando a Deus: “Pai celestial, ouça a minha oração. Que eu esteja sob o Seu amor e cuidado. Sê meu guia em tudo o que eu fizer hoje. Abençoe aqueles que me amam e a todas as crianças também”. Se durante a programação as crianças forem comer algo, profira esta linda oração: “Obrigado Senhor Deus por este mundo tão belo. Obrigado pelo alimento”...



5- Praticar a oração de improviso! Quando a criança o procura com uma preocupação ou problema, pare e faça uma oração com ela. Peça a direção de Deus. Por exemplo, você pode dizer: “Querido Deus, por favor, ajuda o José a ser melhor. Ajuda-o a partilhar seus brinquedos especiais com seu amigo João”. Por meio de nosso apoio podemos instilar a idéia de que podemos conversar com Deus, a qualquer ora e de que Ele sempre irá ouvir.

6- Usar orações diferentes! Como adultos usamos orações de agradecimento, de adoração, de petição e de louvor. Agradecemos a Deus pela melhor parte de nosso dia e sempre que algo bom acontece – não importa o quão pequeno – dedicamos um minuto para mostrar gratidão. Devemos ensinar isso às crianças. Muitas vezes agradecemos a Deus por Suas bênçãos; devemos incentivar aqueles que estão aos nossos cuidados a fazerem o mesmo.

7- Incorporar atividades práticas sempre que possível! É boa prática planejar formas de permitir às crianças se movimentarem, ver ou tocarem como parte da lição. Crie uma colagem de “Obrigado, Deus” em sua classe e desenhe ou escreva suas orações. Elas podem também mostrar ou dizer como Deus respondeu a cada um. Para as crianças muito pequenas, alguém pode escrever por elas.

8- A cada momento dirigir a atenção das crianças para a Criação de Deus! Dê apoio ao senso natural de admiração e temor daqueles que estão sob sua responsabilidade. Agradeça a Deus, espontaneamente, ao ver um arco-íris depois de uma tempestade, ou as flores da primavera. Diga: “Vejam o que Deus fez para nós"!

9- Convidar as crianças a orarem por motivos específicos! Troquem idéias com as crianças e falem a respeito de situações e de pessoas por quem orar. Torne suas orações significativas ao orar especificamente por crianças da sala, pelas vítimas de alguma catástrofe local ou em outra região.

10- Celebrar a oração de cada criança! Alimente a auto-estima e elogie a oração proferida pela criança. “Muito bem, você fez uma oração muito bonita!” “Obrigado, (nome da criança). Deus fica feliz quando nos dirigimos a Ele”.!
Fonte:grupovirtualadv.blogspot.com

BASES BÍBLICAS DO ENSINO

EDUCAÇÃO CRISTÃ ORDENADA: a palavra ensinar é repetida mais de 200 vezes na Bíblia. Exemplos: Deuteronômio capítulo 4.versos: 1,5 e 10, Deuteronômio capítulo 6, verso 1.
Especificamente, o ensino foi ordenado por Cristo em Mateus 28.19-20.
A "Grande Comissão" dada à Igreja não envolve apenas a proclamação das boas novas (evangelismo). Os ensinos (doutrinas) precisam ser apresentados ao povo, para edificação e afastamento das heresias (erros): Romanos 15.4, Colossenses 1.28,  1 Timóteo 4.11.
O próprio ministério de Jesus foi, em grande parte, voltado ao ensino: Mateus 5.2, 7.29, 9.35, Lucas 4.15, etc.
Os primeiros cristãos foram zelosos no ensino: Atos 5.42.
As bênçãos decorrentes do ensino da Palavra de Deus são expressas em João 5.39, Romanos 15.4, Salmo 119.105, 2 Timóteo 3.14-17, Apocalipse 1.3.
ENSINO BÍBLICO ÀS CRIANÇAS
O ensino bíblico não deve ser ministrado somente a jovens e adultos. Há vários exemplos bíblicos da ênfase de ensinar a criança dentro da Palavra de Deus: Provérbios 22.6, Deuteronômio 6.7, Mateus 19.13-14, 2 Timóteo 3.14-15.
A base da personalidade é formada logo nos primeiros anos de vida. Assim como a criança está aberta para conhecer a Jesus, ela também está para o mal. As crianças sempre foram alvos do diabo, pois ele sabe a importância de investir nesta fase da vida do ser humano.
Temos a impressão que nossas crianças estão precoces, que a inocência está acabando mais cedo. O inimigo tem usado a mídia como forte aliado para destruir a infância. Sabemos que nunca será fácil, as pressões sempre serão grandes, mas “maior é o que está em vós, do que aquele que está no mundo” (1 João 4.4)
Diante disso e muito mais conclui-se que o evangelismo e o ensino bíblico deveriam ser prioridade nas igrejas. Todos precisam de Cristo, começando pelas crianças, Jesus nos ordenou isso:
“Vão e façam discípulos de todas as nações... ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei” (Mateus 28.19-20).
Quem deve evangelizar ou ensinar as crianças?
A responsabilidade é de todos nós cristãos, de alguma forma, todos tem contato com crianças. Assim como nos preocupamos com o físico e o emocional delas, também devemos nos preocupar com o espiritual. Não é necessário nenhum dom especial basta amá-las, orar, ser exemplo.

Porque devemos evangelizá-las e ensiná-las? Porque o futuro da Igreja e do país está em Suas mãos. Elas serão os líderes de amanhã!
“Uma verdade colocada no coração de uma criança irá frutificar no presente e no futuro. Aquela criança que ouve a voz gentil de seu professor pode virar um Lutero e ajudar o mundo com sua proclamação veemente da verdade. Que nenhum homem despreze as crianças ou pense que são insignificantes. Eu reivindico o lugar da frente para elas. Elas são o futuro do mundo. O passado já se foi e não podemos alterá-lo. Até mesmo o presente já se foi à medida que o vivemos... As crianças precisam do evangelho, o evangelho todo, o evangelho inalterado. Elas devem tê-lo, e se forem ensinadas acerca do Espírito de Deus serão tão capazes de recebê-lo quanto pessoas maduras. Ensine os pequeninos que Jesus morreu, o justo pelos injustos, para nos levar até Deus. Coragem; o Deus que salvou tantas de Suas crianças ainda irá salvar muitas delas, e devemos ter grande alegria a medida que virmos centenas sendo levadas a Cristo.” (Charles Spurgeon)
Invista tempo nessa terra fértil com o melhor que você pode oferecer: a Verdade de Jesus Cristo que está na Bíblia. Ensine as crianças ao seu redor a amar a Palavra de Deus e contemple o belo crescimento de um servo de Deus.
www.ebdonline.com.br

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Legado x Lenda



Esta semana eu li um artigo muito interessante em que Kenny Conleyescreveu algo de grande importância sobre liderança e gostaria de dividir alguns pontos com vocês. Algo impressionante sobre lenda e legado.
Deixe-me explicar o que isso significa. Se você deixou uma “lenda”, isso significa que você pode ter sido o que a gente pode chamar de  popstar e ter deixado um buraco muito grande com a sua ausência ou saida. Você foi incrível!. As crianças sentirão a sua falta. Os pais vão sentir a sua falta. Os voluntários estão com muita saudades. Durante anos, eles falarão sobre como foi maravilhoso enquanto você estava lá. Então você é uma lenda. Provavelmente vai ser fácil para as pessoas se lembrarem de como você foi OTIMO, porque na sua ausência, as coisas não são tão boas como eram antes? Por quê? Porque a melhor parte sobre o ministério era você e você levou isso com você quando saiu.
Quando você deixa um legado, o seu ministério se torna muito menos você e mais sobre as pessoas que servem com você. Embora você possa ser incrível no palco, um comunicador de primeira para os pais, a mente mais criativa que sua igreja viu, você torna tudo isso secundário para o desenvolvimento de outros para que eles se tornarem grandes jogadores nessas mesmas áreas. Você investe em seus líderes para que eles sejam incríveis no palco, para que sejam comunicadores de primeira para os pais e que sejam mais criativos para sua igreja. Quando você opera sob a mentalidade de deixar um legado, você faz o ministério ser melhor do que qualquer coisa que você podia fazer. E o mais importante, quando você deixa um legado, é possível que você deixe o ministério em silêncio e que apenas um punhado de pessoas perceba.
Deixar uma “lenda” agrada o nosso ego, mas não servem a igreja local. Deixar um legado é construir o Reino, é a arte de multiplicar e criar algo que dure além do que você previa.
O trabalho árduo vem do trabalho nos bastidores, o desenvolvimento de pessoas para fazer melhor o que você faz.                                                           
Pense um pouco sobre isso. Você pode achar que é um presente de Deus para o Ministério de crianças em outras palavras ser um popstar. Quem se importa?                                                                                                                                        
Se você não está construindo em outros e deixando um legado, isso realmente não faz nenhuma diferença a longo prazo.

Pode ser um tema bastante polêmico porque muitos líderes de ministério realmente não entendem isso.                                                                       Finalizando… Eu poderia até arriscar  dizer que a maioria dos líderes de ministério infantil não fazem isto. A verdadeira maneira de medir o seu sucesso ou insucesso não é determinar até onde você foi, mas sim meses e anos após a sua partida é que vão revelar que tipo de líder de ministério você foi. Em todo caso uma das coisas vai acontecer:

Quando você sair, você vai deixar uma “lenda” ou um “legado”?

oministeriodecriancashoje.wordpress.com

4 Princípios para Líderes de Ministério Infantil


1. Paixão – qualquer coisa que eu faça, farei bem porque a faço para o Senhor, não para a aprovação dos outros. Col. 3:23
A paixão produz:
a. Direção - entusiasmo que nos impulsiona adiante, energia suficiente para cruzar a linha de chegada da realização.
b. Possibilidades – o apaixonado faz coisas de maneira diferente: supera as dificuldades buscando soluções criativas juntamente com a equipe; percebe o fracasso como um degrau para o sucesso, refaz constantemente seus alvos e os alcança por meio de perseverança; aceita desafios que a impulsiona para os limites da perseverança, compreende que “se não houver dor, não há valor”; aceita a disciplina de Deus como uma preciosa demonstração do Seu amor.As duas maiores paixões de um líder dos MC devem ser: 1. ver uma criança aceitar a Jesus e vê-la crescer em maturidade espiritual 2. liderar, encorajar e inspirar os professores.
c. Mudança de vida – a mudança de atitude produz compromisso.
Características de uma pessoa apaixonada:
• Alegria e vigor – contagiam o ambiente. É ficar contente por fazer diferença no Reino, porque o que fazemos durará para sempre. “Quando você está bem próximo de Cristo, as coisas de Seu reino farão com que a paixão jorre em sua alma”.
• Entusiasmo e expectativa – “ao ministrarmos para as crianças e para a nossa família, precisamos ser as pessoas mais entusiasmadas do mundo, porque estamos vivendo dentro do laço do amor, da graça e do poder de Deus”.
• Resultados excepcionais – os resultados espirituais florescem em razão de sua paixão pelo ministério. As crianças se lembrarão de você como alguém cheio de paixão que as amava, as valorizava e as honrava. As crianças podem se esquecer das lições que você ensinou, mas se lembrarão de quem é você.
Venenos mortais contra a paixão:
• Rotina – monotonia e falta de criatividade.
• Frieza – gastar a maior parte do nosso tempo com pessoas apáticas.
• Incerteza – precisamos estar fixos em um foco. Só começamos a progredir quando falamos sobre passos, planos específicos e horários específicos.
• Vaguear – sem objetivos, você não tem em que se concentrar. Quando investimos essa paixão em objetivos específicos e trabalhamos neles com todas as nossas forças, uma dádiva de Deus, então se torna muito difícil desistirmos de nosso ministério.
• Dureza – se você é líder, com certeza alguém não gostará de você. Portanto, não se preocupe com que os outros pensam a seu respeito. Algumas pessoas são como vitral: ou são apenas um vidro ou alguém que reflete a luz.

2. Atitude – Nossa atitude determina nossa altitude. A atitude que você usa é a atitude que você escolhe e ela depende da sua capacidade de distinguir entre a resposta e a reação.O que causa minha atitude a escorregar:
• Turbulência – nossa auto-estima pode atravessar uma tempestade, devido a um corte brusco na igreja ou por um sentimento de baixa auto-estima. Como você se vê? E como Deus a vê? Se nós esquecemos de manter os olhos em nosso valor, nosso preço eterno, como Deus o vê, nossas atitudes terão tendência para apontar o “nariz para baixo”.
• Paralisia – pessoas que não se vêem como vencedoras são, com freqüência, obcecadas por perder.• Estressando-se – você pode estar usando energia demais. Sua atitude e desempenho podem realmente melhorar, se você reduzir sua velocidade. É preciso ter tempo para renovar-se e deleitar-se, ou seja, rejuvenescer.• Voltas, voltas e voltas – as expectativas de vida menores, são as pequenas destruidoras de atitudes. Os líderes eficazes enfrentam dificuldade, desencorajamento e desapontamento. Tiago 1:2-4. Precisamos manter uma clara perspectiva de vida, uma clara perspectiva de nossas expectativas. Muitas vezes é preciso trocá-las, para abrir espaço necessário, para que as boas atitudes floresçam.O que fazer quando sentir que sua atitude está para vacilar: 1. olhe para cima – mantenha-se focado no que Deus está fazendo no Reino. (Col. 3: 2,3); 2. Desacelere: todos fazemos escolhas mais acertadas quando paramos por um momento; Alcance pessoas – que o seu foco seja ajudar os outros a alcançar o potencial que têm. A vida das crianças e dos membros de sua equipe serão renovadas, e as pessoas se sentirão encorajadas, simplesmente pelo fato de estar em contato com você.

3. Trabalho em Equipe – As equipes têm um potencial criativo maior do que os indivíduos. “Todos nós juntos somos mais inteligentes do que apenas um de nós”.
Características de uma equipe dinâmica:
• Cooperação – isso requer saber e apreciar histórias uns dos outros, manter contato físico, atitudes de dar e receber, para que a unidade se transforme na poderosa realidade de nossos relacionamentos práticos de trabalho. Ler S.João 17:21.
• Flexibilidade – mudar para atender às necessidades. Flexibilidade para dar conta da demanda que lhe é requerida.
• Compromisso – os propósitos de evangelismo, comunhão, discipulado, serviço e adoração. Programas que ajudarão as crianças a crescer em profundidade, na caminhada espiritual.
• Lealdade - uma equipe pode fracassar porque algo discutido entre o grupo vazou para outras partes interessadas: a famosa fofoca. É muito difícil vencer a quebra de confiança entre os membros de uma equipe.
• Encorajamento - pessoas florescem sob o incentivo e murcham sob a crítica. Todas as vezes que apreciar algo em alguém ao seu lado, você está elevando seu valor, honrando essa pessoa, edificando a equipe e construindo o Reino. Ler I Tess. 5:11
Como cuidar das necessidades de manutenção de sua equipe:
• Deixe constantemente as expectativas bem claras – cada membro da equipe precisa sentir-se pertencente ao grupo e saber que seu papel é vital.
• Proporcione informações e treinamentos para habilidades de uma equipe.
• Abra espaço para compartilhar – não se preocupar apenas em desempenhar as tarefas, mas uns com os outros.
• Sempre dê ênfase à presença de Deus – iniciar cada encontro com uma oração. Desenvolver projetos de oração intercessória durante os encontros.

4. Honra- Ler Rom. 12:10. O valor que atribuímos às pessoas faz toda a diferença em como as tratamos e como somos tratados por elas. A honra determina o sucesso do nosso ministério. Valorize as pessoas através de cartões de aniversário, agradecimentos, telefonemas, visitas, etc. Nossa própria imagem influencia significativamente nossa “imagem” das pessoas. Quando vemos outros da maneira como Deus os vê, passamos a tratá-los como Deus os trata também.Servir em uma atmosfera de respeito mútuo e encorajamento torna o ministério gostoso e digno de todo esforço.
Fonte:tiadulce.blogspot.com

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Métodos de Ensino


  • MÉTODOS E ACESSÓRIOS DE ENSINO

    Métodos de ensino são modos de conduzir ou ministrar a aula e o ensino que se tem em mira. Método é um caminho na ministração do ensino pelo professor, para este atingir um determinado alvo na aprendizagem do aluno. Portanto, o método não é um fim em si mesmo. O professor deve conhecer a fundo não só aquilo que vai ensinar, mas também como ensiná-lo. É aqui que os métodos e os acessórios de ensino são de grande utilidade. 

    Finalidade dos métodos de ensino 

    É adaptar a lição ao aluno. Nunca o contrário. Os métodos de ensino atuam nos sentidos físicos do aluno. 

    O uso dos métodos de ensino 

    Uma aula apresenta normalmente uma combinação de dois ou mais métodos. Nunca um só. Jesus ensinou usando métodos. Seguiremos seus passos no estudo dos métodos. Métodos somente não resolvem. É preciso que o professor (ou o obreiro cristão em geral) tenha também duas outras coisas – a mensagem dada por Deus, e a vida vibrante pelo Espírito Santo. O Mestre Jesus tinha as três coisas: MÉTODO (que comunica), MENSAGEM (que ensina) e VIDA (que conserva). Você pode preparar um trabalho, um sermão, um estudo bíblico, a lição bíblica etc, com todo carinho, esforço e boa vontade, mas somente Deus pode dar a mensagem cheia de vida espiritual. 

    A escolha e combinação dos métodos de ensino 

    Depende de vários fatores, como: 

    • O grupo de idade, o qual tem suas características próprias, físicas, mentais, sociais e espirituais. 
    • O material que vai ser utilizado.
     • O tempo de duração da aulaO preparo da aula é calcado no espaço de tempo que se terá e de conformidade com a idade dos alunos. 
    • As instalações de ensino da escolaNão se pode aplicar um determinado método sem haver condições para isso. 
    • O conhecimento do professor. O conhecimento que ele já tem do assunto em mira, bem como o das leis de ensino e da aprendizagem. 
    • Os objetivos da lição do diaIsso deve muito influir na escolha dos métodos de ensino da lição pelo professor. 

    Os métodos de ensino 

    Os métodos de ensino afetam os sentidos físicos, os quais são meios de comunicação da alma com o mundo exterior. É por meio deles que ela explora o mundo em volta de si, bem como recebe suas impressões. 

    A) Método de Preleção. Também chamado expositivo (Mt 5.1-2 e Lc 4.22). Nunca deve ser usado só. Em combinação com outros métodos, como Jesus usou, é de grande valor no ensino. Sozinho, tem mais desvantagens do que vantagens. Nem sempre falar quer dizer ensinar! É praticamente nulo com os infantis (Não confundi-lo com o método da Narração, que veremos logo mais). 

    B) Método de Perguntas e Respostas. Também conhecido por Método Socrático, por ter sido largamente19 usado por Sócrates. Por exemplo: Mateus 22.42-45, encerra quatro perguntas de Jesus. 

    Vantagens deste método: 
    • Serve como ponto de contato entre o professor e o aluno. 
    • Ajuda a medir o conhecimento do aluno. Como o professor pode saber se o aluno entendeu a verdade ensinada? (Ver Mateus 13.51; 16.9-12; 22.20; Marcos 13.2). 
    • Desperta o interesse. É, portanto um método utilíssimo para o início e fim de aula. Jesus iniciou uma palestra com um doutor, perguntando: “Como interpretas a lei?”, Lc 10.26. Felipe, o evangelista, iniciou sua fala com o alto funcionário de Candace, perguntando: “Compreendes o que vens lendo?”. 
    • Estimula e orienta o pensamento. Uma pergunta bem feita leva de fato o aluno a pensar (ver Mateus 9.28). 

    É preciso técnica na formulação de perguntas. Observe isto: 

    • Faça perguntas resumidas e claras. • Evite perguntas cujas respostas serão sim ou não. Exemplo de pergunta errada: “Jesus mudou água em vinho, em Caná da Galiléia?” A pergunta correta seria: “Que milagre fez Jesus em Caná da Galiléia?”. 
    • Ao lançar uma pergunta, você como professor: 
    1) Dirija-se à classe toda. 
    2) Faça uma pausa de 5 a 6 segundos para que todos pensem na resposta. 
    3) Em seguida, chame um aluno pelo nome para respondê-la. Evite seguir uma ordem exata na chamada dos alunos. 
    4) Dê importância à resposta certa. O método de perguntas e respostas leva o aluno a participar ativamente da aula. Pode ser usado em todos os grupos de idade. Aos alunos de mais idade, o professor deve mostrar a diferença entre perguntar para querer saber, e simplesmente especular. 

    C) Método de DiscussãoÉ também chamado Debate Orientado. A sequência na condução do Método da Discussão é: pergunta, seguida de argumentação, seguida de análise, seguida de resposta (Lc 24.15-27,32; At 17.3,17; 18.4; 19.9). Para discutir um assunto, subentende-se que os alunos já têm informação sobre o mesmo. O professor precisa manter o equilíbrio da argumentação e não permitir que o tema seja desviado, ou que um aluno fale mais tempo que o estritamente necessário. Se o método não for habilmente conduzido pelo professor, resultará em desorganização, confusão e até aborrecimentos. 

    D) Método AudiovisualOs registros mais antigos das primeiras civilizações trazidos à luz pela arqueologia estão em forma visual, principalmente desenhos e esculturas. No método audiovisual, a mensagem que se quer transmitir é ouvida e vista, combinando assim dois poderosos canais de comunicação na aprendizagem. Ela atrai e domina a atenção, aumentando portanto a retenção. Os psicólogos ensinam que as impressões que entram pelos olhos são as mais duradouras. 20 Exemplos de Jesus utilizando esse método: Mateus 6.26 (“Olhai para as aves do céu”); Mateus 6.28 (“Olhai para os lírios do campo”); João 10.9 (“Eu sou a porta”); João 15.5 (“Eu sou a videira, vós as varas”); Marcos 12.15- 16 (“Trazei-me um denário. De quem é esta efígie?”); Lucas 9.47 (Tomou uma criança, colocou-a junto a si); Ezequiel 4.1 (Deus mandando Ezequiel gravar o perfil de Jerusalém num tijolo). Portanto, esse método utiliza material o mais variado. Seu emprego é de grande valor no setor infantil, mas também nos demais. Depende do emprego dosado. 

    E) O Método de Narração. São as histórias. E nesse campo, nada suplanta a Bíblia. Jesus usou muito esse método, apresentando histórias em forma de parábolas, como em Mateus capítulo 13 (todo). A história é qual janela deixando a luz entrar. Na Bíblia, a maior fonte de história é o Antigo Testamento. Pode ser aplicado a todas as idades. A história, depois de narrada, precisa ser aplicada. Veja o caso de Natã ensinando Davi, em 2Samuel 12.1-4 e, em seguida, aplicando o ensino no versículo 7 do mesmo capítulo. O Novo Testamento também contém muitas histórias. A história é para a criança o que o sermão é para o adulto. Exemplos de Jesus usando o método de narração: • O Bom Samaritano (Lc 10. 30-37). • A Ovelha Perdida (Lc 15. 3-7). • As Dez Virgens (Mt 25. 1-13). • O Filho Pródigo (Lc 15. 11-32). Há muitas outras fontes de histórias além da Bíblia, como a natureza, as biografias, os fatos do momento etc. 1) Três distintas finalidades de uma história: • Usada como lição em si. • Usada como ilustração em apoio a um tema. • Usada como introdução de uma lição ou tema. 2) Três regras básicas para o êxito ao contar histórias: • Conheça de fato a história. • Mentalize a história, mesmo conhecendo- a. • Viva a história; isto é, “sinta-a” ao contá-la e dramatizá-la. 

    F) O Método de Leitura (Lc 4.16 e Jo 8.6). O professor pode mandar os alunos procurar textos em suas bíblias e ler. Isto tem um valor maior do que se pensa. A leitura pode ser de outra fonte além da Bíblia. 

    G) O Método de TarefasEsse é um grande método – aprender fazendo. Método ideal para crianças desde a mais tenra idade. A criança aprende de fato quando faz a lição, devidamente instruída pelo professor. Jesus, para ensinar certa lição a Pedro, usou este método (Mt 17.24-27). Outros exemplos: Mateus 17.16-21; Marcos 6.45-52; Lucas 9.14-17; João 9.6,7; 21 (o capítulo todo); Atos 17.11. 

    Aqui estão incluídos: 
    • Trabalhos de pesquisa. 
    • Trabalhos de redação. 
    • Trabalhos manuais (desenhos, esboços, mapas, montagens de lições ilustrados, figuras, labirintos, enigmas, palavras cruzadas). 

    O professor, ao aplicar esse método, deve dar instruções as mais claras possíveis se quiser ver resultados satisfatórios. 

    H) O Método Demonstrativo. É o método do exemplo, altamente influente e convincente. É ensinar fazendo. Jesus usou-o. Ele fazia antes de ensinar (Jo 13.15; At 1.1; 1Pd 2.21). É o método “faça como eu faço”. É o método do exemplo (Ed 7.10; Mt 4.19; 6.9; 11.2-5; Jo 13.15; 1Co 11.1). Os alunos precisam não somenteaprender de Cristo, mas “aprender a Cristo” (Ef 4.20). Só é possível “aprender a Cristo” quando Ele tem expressão por meio da vida de alguém.
    As marchas e cânticos com gestos para os pequeninos têm grande valor aqui, assim como as dramatizações. 

    Todos os métodos de ensino conduzem às duas coisas quanto ao aluno: impressão expressão. Isto é, os métodos visam impressionar a mente e o coração do aluno, para levá-lo a expressar-se educativamente. 

    Acessórios de ensino 
    Alguns deles são: 
    • Quadros, gravuras (especialmente os coloridos). 
    • Flanelógrafos (de diferentes tipos). 
    • Projetores de variados tipos (dependendo de custo e finalidades). 
    • Retroprojetor. 
    • Episcópio. 
    • Transparências, eslaides educativos e de boa fonte, quanto à qualidade e conteúdo. 
    • Mapas bíblicos para aula. 
    • Livros de trabalhos manuais. 
    • Lápis em cores, cartolina etc. 
    • Modelos (do tabernáculo, do Templo de Salomão, de casas orientais etc). 
    Texto extraído do livro Manual de Escola Dominical

Semeando e Colhendo o amanhã


O que é educar? Se andarmos pelas ruas em busca de uma resposta para esta pergunta, escolhas e histórias de vida darão corpo uma série de definições. Há pessoas que apontarão para um preparar-se para o futuro. Outros, dirão que é algo para fazer de uma criança um alguém. Outros dirão que é importante sem saber o motivo. Mas, educar é algo mais maravilhoso do que preparar pessoas para o amanhã que ainda não chegou. Educar é, ao mesmo tempo, semear e colher o amanhã!
É na escola que fragmentos de um futuro mais justo, alegre e sensato podem fazer parte do hoje! O mestre é alguém que age no tempo presente e vê, na mesma conjugação, o desabrochar e o frutificar de uma planta que se chama Pedrinho, Mariazinha, Joãozinho... Quantas e quantas plantas estão querendo romper o solo fértil! É o mestre quem tem a sublime missão de regar, cuidar, inspirar e permitir que a visão de mundo seja impactada pela certeza de que educar é uma ação que não está presa a um fim futuro. Educar transforma o mundo de hoje! Educar amplia os horizontes de quem, hoje, caminha pela árida realidade de uma sociedade sem esperanças!
E quem foi o maior mestre? O mestre da esperança? Um homem que marcou pela sua simplicidade. E, que simples com um verdadeiro educador deve ser, impactou toda uma civilização. Este homem via as pessoas não como elas eram, mas como elas poderiam vir a ser. E assim, estas mesmas pessoas, foram se tornando aquilo que foi visionado pelo grande e maior mestre que já existiu! Este homem não condenou as pessoas a se acomodarem em sua realidade. Ele as impulsionou! Muitas vezes incompreendido o mestre dos mestres ia levando pessoas a beira do maior precipício de suas vidas. Pessoas que muitas vezes não compreendiam o processo e a visão do mestre. E, a beira do precipício, ele as empurrava. E elas voavam. E o futuro se fazia presente. A semente dava frutos. Frutos de excelência! O mestre maior que nos empurra ao precipício de nossas vidas é Jesus! Voemos! Voemos! Voemos!
De Jesus ficam lições para a escola que está diante de nós: Uma delas: O olhar do educador deve perceber em uma criança a materialização dos sonhos e desejos que moram no mais oculto do coração e presenteá-la com a visão de um mundo feliz onde sonhos e desejos são reais. Outra: Se não estivermos dispostos criar situações de desafios, sonhos e desejos talvez nunca se realizem. Se o mestre não levar os discípulos a beira de precipícios, talvez nunca uma criança aprenda a voar!
Mas, o que é educar? Educar é ver nas sementes o encanto da beleza das flores e salivar diante do sabor dos frutos! Educar é permitir que a beira do precipício seres humano criem asas e voem alto! Educar é ver na escola fragmentos de um futuro justo, feliz e real. Educar é a arte de dar as mãos!
Educar é o sentido da Vida!
Marcos Tedesco 

A Importância do apelo na EBD


A Importância do apelo na EBD 

CRIANÇAS E ADOLESCENTES - INSTRUMENTOS DO AMOR DE DEUS
Sabemos que a evangelização de crianças  é uma das mais importantes tarefas colocadas nas mãos da Igreja do Senhor Jesus Cristo.
Em qualquer grupo de crianças em que você for trabalhar, tenha em mente dois tipos de crianças: a salva e a não-salva. Isto porque “todo filho de peixe, peixinho é, mas nem todo filho de crente, crentinho é”.
Conduza a criança a Cristo
a)  Leve-a a compreender a necessidade que ela tem da salvação (Rm 3:23).
b)   Leve-a a conhecer o caminho da salvação (1 Co 15:3-4).
c)   Leve-a a receber o presente da salvação, (Jo 1:12).
d)   Leve-a a crer, pela Bíblia, que tendo recebido a Cristo como Salvador, agora tem a salvação, (Jo. 3:36).
 A finalidade de se trabalhar com crianças é oferecer-lhes três coisas essenciais:
a)   Salvação: É a base da sua vida. A aceitação pessoal de Cristo.
b)   Crescimento: Conhecimento da Palavra de Deus e o seu relacionamento com Cristo, para uma vida feliz.
c)    Serviço: Sua vida diária de acordo com a vontade de Deus, agora trabalhando para Ele.
O Apelo na salinha da EBD 
  1.  O apelo é importante, porque ele une a decisão da criança a Cristo.
  1. Geralmente, o apelo é feito no final, mas pode ocorrer em um momento especial  no meio de uma lição. Se isto acontecer, você deve fazê-lo.
  2. Deve ser objetivo e pessoal, usando poucas palavras: "Você quer...?'', "Você aceita...?"não faça do apelo,  uma apelação.
  3.  Converse com a criança, que recebeu Jesus, depois da aula,  leva-a ao entendimento da atitude que tomou, com uma conversa em particular.
 Jamais esqueça da segurança da salvação.
·  Quando alguém perguntar: Você é salvo? O que você irá dizer?
·  Se alguém perguntar: Como você sabe que está salvo? O que irá dizer?
·  Resposta correta: Eu sei que sou salvo porque a Bíblia diz, e ela é a Palavra de Deus. Eu creio na Sua promessa de que sou Seu filho.
·  A segurança da salvação tem que ser baseada na Palavra de Deus e não no que a criança pensa.
·  Se você pecar, continua salvo? (geralmente a criança diz não)
.  Não devemos pecar nunca. Não podemos amar o pecado.
·  Quando pecamos, devemos confessar, ou seja, contar o pecado, e deixá-lo, pedindo perdão a Deus, em nome de Jesus, e Ele perdoará, (1 Jo 1:9, 2:1).
·  Você é salvo agora.
.  O Senhor quer que você cresça no conhecimento dEle, lendo a Palavra,    orando, congregando e testemunhando.
Fonte:salinhaebd.blogspot.com

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Uma aula sobre os Pais ♥


 Objetivos:
• Valorização da figura paterna;
• Estimular a expressão da linguagem oral;
• Reconhecer as qualidades dos pais;
• Desenvolver a criatividade da criança;
• Estimular o raciocínio e a atenção;
• Relacionar-se com a figura paterna ou a ausência dela.

Introdução:
Para começar, lembre às crianças da data que se aproxima. Pergunte as crianças o que gostam de fazer com seus pais. Pode ser interessante ter previamente recortadas algumas imagens de cenas e objetos para ilustrar a discussão (bicicletas, pais com filhos brincando no parque, uma família tomando café da manhã, etc.).
Quanto mais idéias surgirem neste momento, melhor, pois as idéias de uma criança podem ajudar a outra a se lembrar de momentos gostosos.

Algumas atividades:
Estas sugestões são para serem desenvolvidas do decorrer do mês de agosto.

 Sugira que as crianças entrevistem os pais. Elas podem perguntar qual é o esporte preferido dele, o prato que mais gosta, qual o lazer favorito e que revistas ou jornais ele lê. Depois em sala podem compartilhar as respostas.

 Promova dramatizações da profissão dos pais. As crianças podem também realizar pantomimas representando o pai triste, zangado ou alegre.

 Explore canções, poemas e livros que falam da figura paterna.

 Monte mural ou cartazes

 Confeccione cartões, diplominhas, acrósticos com o nome do papai, jogo da memória;

 Estimule as crianças a desenharem seus pais ou famílias;

 Incentive-as a confeccionarem lembrancinhas para presentear os pais, como marcadores de página, em que as crianças desenham ou escrevam o que quiserem. Pode-se também, colocar uma foto ou desenho da criança nele.

 Desenhos para ao papai, em um envelope enfeitado para entregar os trabalhinhos que o filho fizer;

 Trabalhar a figura humana do pai, Orar pelos Papais da igreja;

 Cantar, recitar e fazer atividades de recorte, modelagem, desenho livre ou pintura, ligados ao tema.

Música para os pequenos:

PAPAI MEU AMIGÃO
(Melodia: No ritmo de ciranda cirandinha)
Papai meu amigão
Hoje eu vou comemorar
Vou te dar muitos beijinhos
E depois te abraçar

Com amor e com carinho
Do fundo do coração
Batam palmas pro papai
Que o é meu campeão
Fonte: Monte sião

 
Template designed using CRIANDO LAYOUTS