quarta-feira, 6 de julho de 2011

A CRIANÇA E A EXPERIÊNCIA DO CULTO A DEUS

É através deste “povo convocado”, a Igreja do Senhor, tabernáculo humano (I Co 3.9) que os homens podem ser educados. Pois a Igreja ao dar extensão ao magistério de Cristo, as obras Dele têm continuidade no Mundo e sua Ação Salvadora alcança o perdido.

A Igreja como agente da Educação Cristã, não tem a função de produzir conhecimento, mas inculcar nas mentes humanas o conhecimento verdadeiro: a Palavra de Deus (Dt 6. 4 -19), que tem em si mesma poder transformador e renovador para alcançar o perdido lhe trazendo a restauração.

O “Ide” de Cristo e a Criança

O “Ide” de Cristo que expõe de maneira incisiva e clara nas Escrituras, em Marcos 16.15 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura.” E nesse “a toda a criatura”, as crianças, que já conseguem crer, podem ser alcançadas pelo Evangelho, às vezes acompanhadas de sua família ou não.

D. L Moody disse: “Eu creio que, se as crianças têm idade suficiente para vir à Escola Bíblica Dominical, elas têm idade suficiente para vir ao Calvário. Vamos abrir nossas mente e que Deus nos ajude a ganhar as crianças para Cristo”.

O Culto Divino e a Criança
A Criança e o Culto Divino

É possível que Deus receba culto da criança?

O Senhor Jesus nos responde esta questão, quando repreende os principais sacerdotes e escribas, por sua indignação, com louvor, que as crianças lhe prestam no templo mediante as maravilhas que Ele fazia: “... Hosana ao Filho de Davi... e disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca de meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?” (Mt 21.14-16; Sl 8.2)

Estes pequenos são adoradores! As crianças são pequenas de estatura, mas não é pequeno o seu culto. Uma vez entendido isto, então o culto de seguimento infantil não poderá ser denominado apenas de “um cultinho”, mas sim uma reunião de adoração e louvor a Deus.

Onde cultuar e quando ?

Quando Davi escreveu no Salmo 122.1: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor;” isto não quer dizer que o “culto” está relacionado apenas aos momentos que nos reunimos no templo, na igreja. Deus é o Senhor das nossas vidas, e conseqüentemente devemos deixá-Lo dirigir nosso modo de viver, pensar e agir. Com isso, todas as nossas atividades diárias devem estar relacionadas com atitudes que adorem, venerem, reverencie e que estejam sujeitas a Ele. -- O verdadeiro culto racional! ( Rm 12.1). Portanto, prestar culto a Deus é muito mais abrangente e não será possível limitar apenas ao processo litúrgico que desenvolvemos em nossas igrejas. Não importa o local em que estivermos e nem quando, tudo aquilo que fizermos deve ser em função de prestarmos culto a Deus (J o 4. 20 -30).

Porém, é na igreja, que se dá o auge de todo esse processo, pois quando nos reunimos nosso único objetivo é prestar culto a Deus de forma coletiva. Esse momento tão importante deve ser a mola propulsora de todo o cristão e meta constante em sua mente e coração por toda a vida.

O lar, nossa primeira Igreja

Como a criança é um ser em formação e não um “adulto em miniatura” a experiência de louvor e adoração que a conduz à presença de Deus e que transforma sua vida, deve ser iniciada no lar, com o culto doméstico. Há diversos textos no Antigo Testamento e também na carta que Paulo escreveu à Igreja de Éfeso, que nos advertem a criar a criança no ensino e no caminho do Senhor ( Ex 12. 26, 27 ; Dt 4.9,10;6.4-9;11.18,19 e Ef 6.4).

Deus dá primeiramente aos pais a responsabilidade de passarem adiante o legado da fé cristão. Porém, nos dias atuais, por diversas circunstâncias, o treinamento dos filhos no caminho do Senhor, tem sido negligenciado pela maioria dos pais e relegado a terceiros. Toda e qualquer atividade com a criança, que a Igreja oferecer pode vir a suplementar o treinamento doméstico, mas nunca substituí-lo!

A criança e seu espaço na Igreja

A criança deve ter seu espaço na Igreja e participar das atividades da mesma. È através de Jesus, que descobrimos o lugar certo da criança na Igreja: É NO MEIO! – Quando pequeno, com apenas doze anos, Jesus não estava em um lugar “à parte”, mas no meio dos doutores (Lc 2.46). O tempo passa, Ele cresce, no auge no seu ministério, ele reafirma esta posição da criança, ao chamar e colocando-a no meio deles (Mt 18.2-3).

A Igreja pratica essa visão, legada por Jesus, quando integra a criança nas atividades litúrgicas e com isso lhe possibilita a experiência de prestar culto a Deus.

A Educação Cristã oferecida a Criança na Igreja

A criança necessita receber orientações seguras em todos os aspectos da vida. De início a responsabilidade é dos pais, logo esta se estende de forma parcial ao ambiente eclesiástico, que deve contribuir de maneira positiva, com a transmissão de tais orientações, dando uma continuidade alicerçada em convicções e conceitos teológicos bem definidos e concretos.

A Igreja deverá oferecer atividades que oportunizem as crianças a experiência de conhecer a Deus, se entregar a Ele e principalmente cultuá-lo!

* Escola Bíblica Dominical ( Estudo da Palavra)
* Escola Bíblica de Férias (Evangelização)
* Reunião de crianças na Igreja para o culto a Deus (Experiência Litúrgica)
* Círculo de Oração Infantil (Comunicação)

A reunião de crianças para a experiência do culto a Deus deve ser preparado e dirigido por crentes maduros que conhecem o Caminho do Senhor e estejam preparados com uma linguagem e materiais adequados para ajudar a criança a encontrar Deus e cultuá-lo de todo o seu coração.(Lc 2.40)

Fonte: Blog projeto ensinar e crescer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Template designed using CRIANDO LAYOUTS